20 de outubro de 2009

O religiosismo saloio

José Saramago não terá todo o direito a exprimir a sua opinião? Afinal, é sobre esse tema que fala o seu livro. Então porque não haveria de falar sobre ele?
As reações contra Saramago fazem-me lembrar a dos talibãs às caricaturas de Maomé, e a de um tal Mário David à fúria muçulmana contra os "Versículos Satânicos" pretendendo uma nova fatwa contra Saramago.
Era eu miúdo, tinha talvez entre dez e doze anos e fiquei chocado ao ler na biblia o episódio em que Deus disse a Abrãao que para ele provar que acreditava em Deus teria de sacrificar o seu filho Isaac. Segundos antes do sacrifício de morte aparece um anjo que lhe diz que afinal era tudo uma “brincadeira”. Se deus era omnipotente, omnipresente, omnisapiente e omnisciente tinha o poder suficiente para saber se Abrãao era ou não fiel à crença... Seria preciso deus fazer isso tudo com uma criança inocente só para provar a fé do Abraão? Por que fazer a criança passar por uma tortura dessas? Isso é coisa que se faça com uma criança? Devo ter-me imaginado no lugar de Isaac e ficado muito assustado. Acho que foi o primeiro livro de terror que li. Só depois descobri Edgar Allan Poe por sinal bastante mais "soft". Quanto ao episódio da biblia se fosse hoje imaginaria deus a aparecer ao Abraão e a dizer: Sorria para a camara você está nos Apanhados. Então alguém denunciaria Abraão e esperariam que a Comissão de Protecção de Menores lhe retirasse a guarda de Isacc.
Eu sei que a bíblia foi escrita faz muito tempo e o contexto nessa altura era diferente. O problema é que as Religiões ainda hoje se guiam por este livro, que, para mim é também um manual de maus costumes. Muitos são os actos aberrantes da Igreja Católica que tiveram por base este livro - As Cruzadas, a Inquisição, as conquistas de territórios e a acção dita missionária (a tortura sempre foi um instrumento de conversão religioso!) assim como o apoio do Vaticano ao regime Nazi que exterminou inúmeros Judeus.
Cada vez mais me convenço da inutilidade das religiões (de todas) pois estão na génese de quase todas as guerras e de matanças em massa de que a humanidade só se pode envergonhar.
Esta reacção contra Saramago acontece da parte de uma instituição que é inflexível, preconceituosa, intolerante, radical, condicionadora do pensamento livre, punitiva e fundamentalista. Com as religiões funciona apenas a máxima “quem não é por nós é contra nós”.
Para terminar como disse alguém - sou ateu, graças a deus. zct
Nota: imagem The Sacrifice of Isaac de Cigoli c. 1607, Galeria Palatina (Palacio Pitti), Florença.

2 Comentários:

Blogger naovouporai disse...

bem dito! :)

22/10/09, 17:50  
Blogger Alberto disse...

Tenho vontade de os pendurar a todos. Não era para os matar, era para os mandar ter com o criador...

22/10/09, 19:33  

Enviar um comentário

Subscrever Enviar comentários [Atom]

<< Página inicial